Canibal da República Centro-Africana diz ter comido homem por vingança

País vive conflito entre cristãos e muçulmanos que já deixa mais de mil mortos.

Autor: Danilo Rocha [13/01/2014]

A violência entre grupos religiosos na República Centro-Africana atingiu um novo extremo no último final de semana, com relatos de canibalismo na capital do país, Bangui.

Em uma das ruas da cidade, o intenso trânsito de ônibus e a poeira ainda não conseguiram apagar uma mancha de sangue. Há alguns dias no local, um muçulmano foi morto por cristãos, e seus braços e pernas foram arrancados.

Em seguida, um dos homens na multidão começou a comer a carne da vítima.

A equipe da BBC filmava perto dali. Alguns instantes depois, o repórter foi abordado por um jovem de camiseta amarela armado com um facão, que se identificou como sendo o canibal.

Câmeras de celular haviam registrado o crime. As imagens mostram um corpo queimado e estraçalhado sendo arrastado pelas ruas por uma multidão. No vídeo, o jovem que conversou com a BBC aparece mordendo a perna do cadáver.

A República Centro-Africana vive dias de intensa violência entre milícias cristãs e muçulmanas. O país de maioria cristã era governado por um presidente muçulmano até a semana passada. Michel Djotodia havia chegado ao poder em março de 2013, com a ajuda de milícias.

Ele prometeu desmantelar as gangues que o ajudaram, mas não conseguiu. Em reação, cristãos montaram milícias próprias, e o país se afundou em um conflito religioso armado.

Mais de mil pessoas já morreram, e estima-se que 20% da população total do país tenha abandonado suas casas para viver refugiada.

Grávida e bebê mortos
O homem que admitiu o ato de canibalismo é apelidado de "Cachorro Louco".

Ele disse que muçulmanos haviam assassinado muitos familiares seus, incluindo sua mulher – que estava grávida – sua cunhada e sua sobrinha, que ainda era bebê.

"Eles derrubaram a porta da casa da minha cunhada e a encontraram com o bebê", diz ele. "Eles cortaram seus seios e mataram a bebê com uma faca. Era uma bebê muito nova, mas eles a cortaram ao meio. Eu jurei que me vingaria."

Não está claro se a vítima do "Cachorro Louco" tinha envolvimento em algum episódio de violência ou se ele foi morto apenas por ser muçulmano.

"Cachorro Louco" contou à BBC que viu a vítima sentada no ônibus e decidiu segui-la. Ele também reuniu outros cristãos que passaram a ir atrás do ônibus.

O veículo foi parado pela multidão que se formava, e o motorista identificou o homem perseguido como muçulmano. Ele foi arrastado para fora do ônibus e assassinado.

"Eu o esfaqueei na cabeça. Derramei gasolina nele e o queimei. Então comi sua perna, tudinho até chegar ao osso, com pão. É por isso que me chamam de 'Cachorro Louco'', disse.

A parte mais perturbadora do vídeo é quando "Cachorro Louco" aparece sorrindo enquanto mastiga. Quando questionado pela BBC sobre o motivo da violência e do canibalismo, ele respondeu: "Porque estou furioso".

Uma das testemunhas do episódio, Ghislein Nzoto, disse que ninguém tentou impedir a violência.

"Todos estão furiosos com os muçulmanos. De jeito nenhum alguém teria coragem de intervir", disse.

Nzoto afirmou entender o motivo pelo qual os muçulmanos estão sendo perseguidos por cristãos, mas revelou que não concorda com o ato de canibalismo. Ele acha que talvez isso possa ser só um ato isolado de alguém com distúrbios mentais.

A testemunha também levanta outra hipótese: a de um ato de magia negra. Muitos dos combatentes cristãos usam amuletos que contêm pedaços de carne das vítimas que eles mataram.

Enquanto "Cachorro Louco" conversava com a BBC, muitos cristãos ao redor balançavam a cabeça, em sinal de apoio, e davam tapinhas em suas costas. Ali, o homem é tratado como um herói por seu ato de canibalismo.

Fonte: G1